Atualizado 8 horas atrás

Nem 8, nem 80: oscilante apesar de recorde, Fla busca equilíbrio no returno

Queda brusca de rendimento após a Copa não impede que equipe alcance melhor aproveitamento em um turno desde 2003, mas liga alerta para extremos que acompanham o Rubro-Negro: "Pouco importa a liderança no começo, mas na última rodada", diz Barbieri

Nem ao céu, nem ao inferno. Nem "segue o líder", nem "rumo aos 45 pontos". Nem avassalador, nem em queda livre. O Flamengo que começa o returno do Brasileirão, quinta-feira, às 19h30 (de Brasília), diante do Vitória, no Maracanã, busca algo que historicamente passa longe do Ninho do Urubu: equilíbrio.

 

Apaixonado e à flor da pele por natureza, o torcedor do Flamengo passeia por extremos com uma facilidade que salta aos olhos. E a campanha no primeiro turno do campeonato de 2018 evidencia isso. Se os 37 pontos representam a melhor metade da era dos pontos corridos, a marca acabou ocultada pelo baixo rendimento após a Copa do Mundo, que culminou no 3 a 0 para o Atlético-PR, em Curitiba.

Flamengo até a Copa: líder, 27 pontos, 75% de aproveitamento
Flamengo após a Copa: décimo, 10 pontos, 48%
Flamengo no turno: terceiro, 37 pontos, 64,9%

 

De início avassalador, o time de Maurício Barbieri acompanhou o Mundial da Rússia confortável, com 75% de aproveitamento nas 12 primeiras rodadas, 27 pontos e quatro de vantagem para o vice, Atlético-MG. Somente sete jogos depois, o cenário ligou o sinal de alerta no clube.

 

Com dez pontos em 21 disputados, o Flamengo tem 48% de aproveitamento, somente o décimo no período pós-Copa do Mundo. Os quatro pontos que tinha de gordura agora o distanciam do líder São Paulo. Condição que ainda não assusta, mas leva a uma reflexão:

- Vai começar um novo turno. Tivemos um bom desempenho neste. Não terminamos em primeiro, mas entre os primeiros.

 

O recorde até então era de 36, em 2011, quando time comandado por Ronaldinho Gaúcho se viu um ponto atrás do Corinthians, que seria campeão, e terminou em quarto, apenas na pré-Libertadores.

 

  • 2003: 29 pontos (24 na 19ª rodada)
  • 2004: 20 pontos (17 na 19ª)
  • 2005: 23 pontos (20 na 19ª)
  • 2006: 23 pontos
  • 2007: 27 pontos
  • 2008: 31 pontos
  • 2009: 29 pontos
  • 2010: 22 pontos
  • 2011: 36 pontos
  • 2012: 29 pontos
  • 2013: 18 pontos
  • 2014: 25 pontos
  • 2015: 23 pontos
  • 2016: 34 pontos
  • 2017: 29 pontos
  • 2018: 37 pontos

 

Em 2009, ano em que foi campeão, era o sétimo ao término da 19ª rodada, com 29, oito atrás do líder Inter, e depois protagonizou arrancada que o coloca como um dos três vencedores da competição que não viraram o turno na ponta.

Fonte: globoesporte.globo.com
© Copyright 2017 - Rede Nossa Rádio, Todos os direitos reservados Desenvolvido por HZ Soluções